Esse é artur lucas de frança, 21 ANOS! um dos  primeiros pacientes do círculo do coração, e que hoje, além de paciente, é colaborador e ilustrador de materiais didáticos e lúdicos produzidos pelo grupo. A logomarca ganhou vida nas mãos de artur e num pool interno do grupo, o coraçãozinho ganhou o nome de Tum Tá.

Veja agora a entrevista com Arthur:

  • Hoje você com 21 anos, qual sua lembrança mais significativa em relação ao tratamento da cardiopatia que se iniciou desde o seu nascimento?
    • R: Foi minha ida à São Paulo com ajuda da Dra. Sandra. Fui com meus pais, tinha 8 anos e fiquei com medo…Ficamos com novos horizontes.
  • O que gostaria de falar sobre a sua história de tratamento da cardiopatia?
    • R: Não é fácil. Todo tratamento é complicado para o paciente. Tem as restrições e também o uso do medicamento. Eu tomava e parei com 6 anos. Depois voltei a tomar com 18 anos e foi difícil me habituar. No começo eu sofri. Tem a questão da preguiça, tem a hora de tomar o remédio. Com o tempo amadureci e toquei o barco.
  • O que era difícil?
    • R: A preocupação de não perder a hora. Às vezes me esquecia. Achava chato.
  • Mas o que é difícil nisto tudo?
    • R: Não é o ato de tomar o comprimido mas o que pode acontecer se passar mais de um dia sem tomar.
  • O que mais gostou?
    • R: De ter conhecido o Circulo do Coração. Aqui me passaram segurança e deram força. Dra. Sandra Deu muita força a minha mãe. Também fico feliz de fazer parte do Circulo do Coração.
  • O que menos gostou?
    • R: Sentir culpa de esquecer o remédio.
  • Quais as pessoas que marcaram sua trajetória?
    • R: A mais participativa é minha mãe porque sempre me deu força, segurança e me acompanhou Desde pequeno. E a equipe da UCMF, Dra. Sandra, Dra. Lúcia e Dra. Rossana sempre me dando força e coragem.
  • Qual mensagem você daria para outras crianças?
    • R: Às vezes, pode parecer chato as restrições, o uso do remédio. Mas é necessário para que tudo ocorra certinho. Vida de cardiopata não é fácil mas tem que ter determinação, segurança e assim vivermos cada dia melhor. As restrições são a educação física, exercícios físicos. Quando somos pequenos não podemos fazer esforço e dá vontade de correr como nossos colegas. Que a criança possa buscar se divertir com outras coisas. Eu gostei mais de desenhar e hoje sou o ilustrador oficial do Circulo do Coração. E também que as crianças maiores possam compreender e não ficar chateados com seus pais, porque são super cuidadosos. E o pai e a mãe entendam que a criança precisa se divertir. E que eles mostrem a elas um modo, outras formas de se divertir. Ainda sinto o fato da mãe ser super vigilante na questão de sair. Mas ela entendeu que tem que deixar o jovem saber seus limites.

ESSE RAPAZ É UM TALENTO! Valeu Artur e que Deus te inspire cada vez mais as suas habilidades, para nossa alegria!